Um lindo presente!

9 03 2011


Bobi, um lindo Akita dourado, grande, com aproximadamente 3 anos, apareceu em frente a minha casa em um dos dias em que eu mais estava triste. Eu estava novamente com um problema de visão e confesso que estava cansada de mais uma vez um novo problema surgir.

Bobi passou por mim e eu jurei que não ia dar atenção a ele, porque nós Protetores sabemos que não temos mais de onde tirar tanto dinheiro para ajudar esses anjos. De repente, minha mãe me chama da varanda e diz que o cão (Bobi) estava uivando do outro lado da rua.

Lá vai eu, com um vestido indiano, pois acabara de voltar do trabalho, e um par de havaianas… junto a um pote de água e outro de comida. Ao chegar perto do Bobi, ele simplesmente devora toda a comida. Fiquei conversando com ele (sim, eu converso com os animais), perguntando de onde ele vinha, qual o seu nome… e minha mãe do lado, me olhando com cara de interrogação. Estava chuviscando, quando passa um senhor do meu lado e fica olhando pasmo a minha conversa “solo” com Bobi. De repente, acredito que por ver o meu desespero, ele se oferece para ficar com Bobi apenas uma semana. Fico feliz e entro na casa de um senhor no qual nunca vi (o que não faço pelos animais?) só para ver onde Bobi iria ficar. Só me dou conta do tamanho da minha loucura quando ouço minha mãe gritando meu nome (ela havia ido pegar mais comida, foi quando sua filha mais velha, por mais que ela tenha dito para não fazer isso, entra na casa de um estranho). Tsc… tsc…

Começo a procurar quem perdeu Bobi. Em vão… não acho o seu dono.

Passada uma semana, o Sr. vem em minha casa dizendo não poder mais ficar com Bobi, afinal ele uivava demais (Akitas raramente latem, mas uivam muito). Coloco-o em meu quintal tentando achar um dono para ele. Vejo-me novamente sorrindo, brincando feito criança com ele, falando como criança, jogando bolinha, correndo… e lembro da minha mãe dizendo que fazia tempo que não me via sorrir. Me dei conta então que Bobi era um presente que Deus me deu. Como eu poderia desprezar um presente tão singelo e tão valioso? Tenho mais quatro anjos em casa, mas são todos idosos já e não têm mais a molecagem de Bobi.

Com o tempo, observei que Bobi atendia a alguns comandos e a cada dia, até hoje, aprendo um pouco mais sobre ele. Depois de dois meses, em um passeio com Bobi, seus donos apareceram, mas não quiseram de volta, disseram que era fujão. Nesse dia, percebi o quanto eu já amava Bobi, e o quanto ele era e é valioso para mim. A cada dia, por mais que conheça as pessoas, nunca consegui me conformar e nunca conseguirei como é fácil para algumas pessoas descartarem vidas. Eu dou o máximo valor a todas as vidas que passam por mim, sejam quais formas tiverem; sejam pessoas, sejam animais… sejam vidas.

Não sei se sou sensível demais, sei apenas que sei amar e JAMAIS trocaria tudo o que sou por nada nesse mundo. Sabe por quê? Porque o amor, seja ele qual forma tiver, é o maior presente que nosso Pai nos deu. E só ele, somente ele pode transformar, mudar ou mesmo fazer feliz um coração.

Obrigada Bobi bobão por fazer parte da minha vida. Nós tínhamos que nos conhecer, já estava escrito.

Anúncios

Ações

Information




%d blogueiros gostam disto: